sábado, 14 de fevereiro de 2009

S. Valentine... die?

Sinceramente.
Acho que nos devíamos todos apetrechar com pedras e alvejar tudo o que fosse romântico.
Resolveria, em grande parte, as frustrações da maioria dos portugueses.
Pelo menos é o que parece.
Há um medo genético e incompreensível face à opinião exterior.
A palavra, o olhar, o gesto que indicie amor é um impropério atroz, principalmente neste dia.
Uns consumados pela solidão, outros opondo-se à calendarização afectiva e outros porque são sociopatas.
Mas raios!
Estamos mergulhados numa crise profunda em todos os níveis e ainda temos a capacidade de gerar um ódio visceral ao romance.

Não falo, obviamente, de passar o dia de hoje a escrever e emitir palavras terminadas em “inho”.
Infantiliza o sentimento e diminui-nos perante a outra pessoa.
Lembra-me a minha infância/adolescência.
Colocava a melhor roupa neste dia, afogava o meu rosto imberbe de Old Spice para cheirar a adulto e escrevia poemas com “inhos”.
Nunca resultou.
Abandonava, sempre, o átrio da escola com o olhar colado ao chão, mas nunca consumido pela inveja ou raiva.
Portanto…

Deixem-se de merdas.
O dia de hoje só peca por escassez.
Ser só um dia como o Natal.

2 comentários:

Mary disse...

Olá... Achei teu blog na rede e adorei teus escritos.
Concordo que a data é uma hipocrisia. Um dia comum, Qualquer...


"A palavra, o olhar, o gesto que indicie amor é um impropério atroz, principalmente neste dia."


Parabéns pelo blog. Convido a visitar meu Sweet Delirious...

Sadly, Yes disse...

O tao afamado dia 14Fev tem este (interessante) efeito paradoxal nas pessoas...acho que gosto dele exactamente por isso.

Como solteira assumidissima (não me lembro de estar comprometida neste dia. Provavelmente as minhas relações abalavam-se pela chegada d´um dia oficial. Ou será que elas, per se, se abalavam com a ideia de "oficial"???) faço questao de jantar sempre n´um restaurante apinhado de casais.

Gosto, de ver casais babados: ele com um standard ramo de rosas vermelhas e a pensar no jogo de futebol que está prestes a começar (o Sporting lá ganhou ontem, não foi??? grrr), ela com o desejo secreto de que ele, de joelhos e com olhos de cachorrinho, faça o tão ansiado pedido de casamento.. naquele restaurante, naquela mesa, com aquele bitoque mal passado e aquele vinho tinto "carrascão".

Riu-me, com aqueles que claramente se sentem patéticos naquela postura do "eu tenho namorado(a)(s) PORTANTO vou jantar fora".

E obviamente que acho interessante aqueles que pura e simplesmente se sentem confortáveis com este dia. Há amor/paixão qb, o dialogo é fácil, os momentos de silêncio não são constrangedores e não há presentes. Depois do jantar vão para casa dele e têm uma noite de sexo torrido. O sábado seguinte é igual (mas vão para casa dela, os pais foram viajar.)

Gosto!
(o dia das mulheres ainda tem mais encanto :) E estou certa de que concordas comigo :P:P

kiss kiss